betesda


fim-de-semana
Outubro 29, 2007, 3:46 pm
Filed under: betesda

Pode ser a garrafa de água arrumada inusitadamente ou a ruga no lençol na cama que ainda não se fez. Por vezes nem há vontade de a fazer. É como se a estadia se prolongasse e com isso um pouco da presença se mantivesse. Também há sinais que se encontram sem procurar e marcas que se desprendem de alguns lugares…da memória principalmente! Não se pode dizer que é mau, deve apenas dizer-se que é confortante e que, brevemente, o ritual se repetirá.



mulheres
Outubro 12, 2007, 2:49 pm
Filed under: betesda

Sublinho, levemente, aquela frase que ouvi. Apenas na memória. E há-de perdurar até que as circunstâncias permitam. Porque é verdade. Porque é assim. Depois há-de esfumar-se entre outras que façam mais sentido e acabará por desaparecer. Não é sempre assim?



!
Outubro 8, 2007, 3:51 pm
Filed under: betesda

Eu, que nem sempre sou eu (aqui), escrevo hoje sendo mais eu do que nunca.

Releio alguns posts e vejo-me camuflada em várias palavras que, cirurgicamente, escolho. Uma necessidade (algo estúpida) de deixar sempre qualquer coisa por dizer… Freud deve explicar. E eu, com alguma coragem e paciência explico também… mas não hoje! Hoje era só para deixar a palavra inteira:

Amo-te (tanto)!